Há sempre uma boa desculpa

Gravidas

Ao ver a foto lembrei de uma pequena cronica publicada no livro FEBEAPÁ 1 ( 1ºFestival de Besteira que Assola o País) de Stanislaw Ponte Preta, onde é possível encontrar uma boa desculpa para permanecer sentado no ônibus, é o famoso jeitinho brasileiro.

O HOMEM DAS NÁDEGAS FRIAS

A historinha que vai contada abaixo, naquele estilo literário que fez de Stanislaw Ponte Preta um escritor de importância transcendental, é absolutamente verdadeira e a par de ser jocosa serve para provar que na época hodierna a mulher está tão desacostumada ao cavalheirismo que engrossa a toda hora, por falta de treino.

A pessoa que foi testemunha do episódio merece todo crédito e garante que aconteceu no interior de um desses ônibus elétricos que a irreverência popular apelidou de chifrudo. O ônibus vinha lotado e, corno acontece com tanta freqüência, com vários passageiros em pé. Antigamente quando havia passageiro em pé, era tudo homem, porque a delicadeza mandava que os cavalheiros cedessem seus lugares às damas. Hoje, porém, é na base do chega-pra-lá.

Vai daí, havia um senhor que estava sentado distraidamente lendo o seu jornal e nem percebeu. que havia em pé ao seu lado, uma jovem senhora dessas que não são nem de capelão largar batina, nem de mandar dizer que não está. Em suma: uma mulher bastante razoável.

O senhor acabou de ler o seu jornal, dobrou-o e aquela espiada em volta, ocasião em que percebeu a distinta viajando em pé, ao seu lado. Devia ser um cavalheiro de conservar hábitos d’antanho porque, imediatamente, levantou-se e disse pra dona:

— Faça o obséquio de sentar-se, minha senhora.

Seu ato não parecia esconder segundas intenções, tão

espontâneo ele foi. Mas, se o cavalheiro era antigão, a mada­ma era moderninha. Achou logo que o senhor estava querendo fazer hora com ela e, desacostumada ao gesto delicado, torceu o nariz e falou:

— Muito obrigada, mas eu não sento em lugar quente. Houve risinho esparso pelo ônibus e comentários velados  o que deixaria o senhor com cara de tacho, não fosse ele — conforme ficou provado – pessoa de muita presença de espírito.

Notando que todos o olhavam como se ele fosse um palhaço, o gentil, passageiro voltou a sentar-se e disse, no mesmo tom de voz da grosseira passageira, isto é, naquele tom de voz que despertara a atenção geral:

Sinto muito que o lugar esteja quente, minha senhora  Mas não existe nenhum processo que nos permita carregar uma. geladeira no rabo.

Aliás, ele não disse rabo. Ele disse mesmo foi bunda.

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Comportamento. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s